A verdade é que colaboradores felizes fazem empresas de sucesso. E este fator é cada vez mais adotado por vários líderes empresariais que acreditam que uma boa política de recursos humanos leva a resultados positivos. Este é o caso do Grupo José Pimenta Marques de Braga, composto por 12 empresas que atuam no mercado da produção e na comercialização de equipamentos de pesagem.

O grupo alcançou um volume de negócios de cerca de 16 milhões de euros, em 2017, e tomou a iniciativa de distribuir os seus lucros pelos 110 trabalhadores. Cada colaborador recebeu um prémio de 50% do valor do seu vencimento, em que a média salarial ronda os 1500 euros mensais, com exceção do setor de produção que se encontra nos 700 euros.

Como refere Tiago Marques Pereira, representante do grupo, “Por um lado permite associar a remuneração à performance da empresa. De futuro, se as coisas não correrem tão bem, se houver um ano menos bom, os colaboradores também serão informados disso, e não poderá haver uma distribuição tão grande de lucros. Se correr bem todos ganham com isso”.

O administrador explica que não se trata de um caso isolado e tem um propósito este gesto da administração: “depois dos anos de crise, começámos a sentir o problema oposto até então: falta de mão-de-obra. Já não existe tanta facilidade em fazer recrutamento, principalmente na área de Braga e temos uma forte concorrência de startups e empresas vocacionadas para a tecnologia. Quando queremos contratar um engenheiro informático, por exemplo, sentimos alguma dificuldade”.

O grupo José Pimenta Marques, quis dar a volta à situação e no ano passado elaborou um plano de benefícios que consiste na “atração de mão-de-obra qualificada” e “a manutenção dos melhores recursos da empresa”. E por isso a necessidade de implementar várias medidas de incentivo aos funcionários da empresa. Medidas que passaram pela remodelação de alguns espaços, introdução de oferta de fruta na empresa, assim como aulas semanais com um personal trainer. Outra das medidas consiste num prémio para a natalidade.

O grupo exporta mais de 80% da sua produção para França, Espanha, norte de África, Bélgica, Áustria e América do Sul. Para este ano está previsto um crescimento de 10%, o que se pode traduzir num volume de negócios em cerca de 17,5 milhões de euros.

Fonte: Dinheiro Vivo