Ao assumir a liderança do Santander, Ana Botín comprometeu-se em tornar o banco espanhol numa das melhores instituições para se trabalhar. Segundo o jornal Cinco Días, está a decorrer a introdução de uma nova cultura no banco para aplicar nos 10 mercados onde se encontra atualmente.

Assim, o Santander irá aplicar novas medidas inovadoras de forma a ser um dos três melhores bancos para se trabalhar, isto após ter aproveitado a homologação das condições sociais e laborais.

Algumas dessas medidas passam pelo reconhecimento dos colaboradores, como por exemplo, não terem que responder a emails ou mensagens, quando já se encontram fora do seu horário de trabalho, assim como em tempo de descanso, licenças e férias, à exceção de casos que sejam de força maior ou circunstâncias excecionais. Em França, esta medida ficou conhecida como o “direito a desligar”.

O pré-acordo assinado pelo banco Santander e os sindicatos refere ainda a cultura do teletrabalho e da flexibilidade laboral. O banco passou de quatro para seis meses a licença de paternidade e pretende também facilitar a adoção de horários especiais para as mulheres que estão no último mês de gravidez.

Segundo uma fonte, o banco pretende ainda promover o uso da tecnologia para racionalizar o tempo despendido dos colaboradores nas reuniões, reduzindo assim a duração das reuniões, as convocatórias antes de determinada hora e as reuniões nas tardes em véspera de feriado.

 

Fonte: Dinheiro Vivo