linkedin google plus facebook twitter
Home / Job Summit / Job Summit: guia de preparação para as empresas

Job Summit: guia de preparação para as empresas

Job Summit: guia de preparação para as empresas

Pela primeira vez em Portugal, será realizada uma Feira de Emprego Virtual: o Job Summit. O evento será realizado nos dias 10 e 11 de Outubro e conta já com dezenas de empresas confirmadas.

O Job Summit vai disponibilizar Stands e conteúdos, ofertas de emprego, chats públicos e privados, entrevistas e webinars e permite que os recrutadores e os candidatos possam conversas em tempo real.

Sendo uma feira virtual e não havendo uma presença física, tudo se vai resumir ao diálogo através das salas de chat. Como tal, é importante que os recrutadores estejam preparados para responder às questões colocadas pelos candidatos, de forma a motivá-los e a mantê-los interessados na organização.

Uma vez que as conversas podem acontecer via texto, áudio ou vídeo, certifique-se de que todos os equipamentos que necessita estão a funcionar correctamente.

Para o ajudarmos, elaborámos uma guia de preparação com perguntas possíveis de serem colocadas por quem procura emprego e sugestões de resposta que consideramos adequadas.

“Candidatei-me à vaga X. Como está o processo?”

Em qualquer uma das questões, o mais aconselhável é ser o mais sincero possível. Neste caso específico, caso tenha acesso à informação esclareça o candidato: “Caro candidato, estive a verificar e o processo de recrutamento encontra-se em fase de entrevistas, fase para o qual não foi seleccionado”, por exemplo.

Caso não tenham acesso a essa informação poderá sempre referir que “Não temos acesso a essa informação de momento mas iremos verificar e retomaremos o contacto”.

Se pretender, pode optar por responder de uma forma mais genérica: “Se se candidatou há mais de X tempo, assuma que não foi escolhido.”

“Quais os timings do recrutamento?”

Acreditando que possa ser difícil responder com os timings exactos, uma vez que tudo pode depender da qualidade das candidaturas recebidas, tente fornecer uma estimativa aproximada daquilo que normalmente acontece.

Para vagas mais específicas e esporádicas, por exemplo, “precisamos de fechar a vaga até ao dia X e como tal, esperamos começar com as entrevistas dentro de duas semanas”.

Outra opção de resposta, para empresas com processos de recrutamento mais contantes seria “estamos a recrutar durante todo o ano. Normalmente demoramos cerca de uma semana a contactar o candidato após a análise do currículo, e cerca de duas semanas a tomar uma decisão após a entrevista.”

“Qual o salário oferecido?”

Se tiver esta informação e fizer sentido partilhá-la com o candidato, seja o mais sincero possível: “o salário para esta vaga são X euros”.

No caso do salário ser variável, dê uma estimativa média daquilo que o candidato poder vir a ganhar, como por exemplo, “o salário base são X euros, mas com comissões e bónus, o salário médio varia entre X e Y”.

No entanto, se por algum motivo não pode revelar essa informação, o que aconselhamos que faça, opte por dar uma resposta mais genérica, tal como “o valor varia consoante o nível de experiência do candidato. Podemos fornecer essa informação numa fase mais avançada do processo de recrutamento”.

“Existem vagas para a função X?”

Neste caso não há muito por onde pensar, ou a empresa está a recrutar numa determinada área ou não está, e deve transmitir essa informação ao candidato.

No entanto, caso seja uma função mais genérica ou estejam a recrutar para vagas que não necessitem de grande experiência, deve transmitir essa informação ao candidato: “Especificamente para a vaga X não estamos a recrutar, mas procuramos pessoas com o seguinte perfil e acreditamos que pode ter perfil para esta oferta”.

Se o candidato perguntar por um tipo de funções para a qual actualmente não tem vagas, mas que até costumem ter e possam ter no futuro, deixe essa informação: “neste momento não estamos a recrutar, mas costumamos ter vagas para essas funções, esteja atento”

“Tenho o perfil que procuram?”

O ideal era que todos os candidatos que enquadrassem naquilo que a empresa procura e assim conseguissem recrutar as pessoas que necessitam.

Nas situações em que isso aconteça, motivem os candidatos respondendo que “sim, o seu perfil enquadra-se naquilo que a X procura e precisa”.

Caso contrário, o candidato pode estar totalmente desenquadrado ou não possuir todos os requisitos pretendidos. Na primeira opção, deverá ser honesto e evitar criar falsas expectativas “Infelizmente o seu perfil não se enquadra nas necessidades actuais da empresa, visto que precisamos de pessoas com experiência de X anos. No entanto pode continuar atento a futuros processos que possam surgir”.

Na segunda opção, considere dar mais uma oportunidade explicando que “Procuramos candidatos com o seu perfil no entanto também valorizamos as competências X e Y”. Neste caso estão a permitir que o candidato apresente experiências ou competências que adquiriu e pode não ter referido de forma explícita.

“Candidatei-me mas nunca me responderam”

É também possível que surjam candidatos que já se tenham candidato a ofertas há algum tempo, nunca tenham obtido resposta e venham cobrar por isso.

Nestas situações, o melhor é desculpar-se ao candidato, afirmando que “devido ao elevado volume de candidaturas recebido não tivemos disponibilidade para responder a todos os candidatos. Se não obteve resposta, considere que não foi seleccionado. Pedimos desculpa e garantimos que vamos tentar melhorar no futuro”.

About Alerta Emprego

O Alerta Emprego é um portal de emprego que ajuda empresas e recrutadores a encontrar os melhores candidatos e a gerir processos de recrutamento. Além de promover anúncios de emprego, o Alerta Emprego funciona como uma base de dados de CVs pesquisável, tornando mais fácil a procura de candidatos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*