Nova Zelãndia

A Perpetual Guardian, empresa da Nova Zelândia, tornou realidade o sonho de muitos trabalhadores: trabalhar menos um e dia e ganhar o mesmo salário.

Durante oito semanas a empresa experimentou reduzir o horário laboral dos colaboradores para quatro dias, e isto sem reduzir ordenados e sem exigir horas extras.

Segundo o jornal The Guardian, os resultados foram um “sucesso absoluto”, pois de acordo com o mesmo, houve uma diminuição dos níveis de stress dos trabalhadores em 7% e um aumentou da capacidade para conciliar o trabalho com a vida pessoal.

Mesmo antes de toda a experiência, 54% dos colaboradores conseguiam ter um equilíbrio entre os compromissos pessoais com os laborais, com esta nova mudança nos horários a percentagem subiu para os 78%.

Trabalhar menos um dia é sinónimo de menos produtividade? Não neste caso, pois os colaboradores foram ouvidos para encontrar formas de manter a produtividade com menos dias de trabalho por semana.

Uma conferencista da Universidade Auckland Business School e citada no jornal The Guardian, mencionou que “os funcionários projetaram uma série de inovações e iniciativas para trabalhar de maneira mais produtiva e eficiente, desde a automação de processos manuais até à redução ou eliminação do uso de internet para assuntos não relacionados com o trabalho”.

Antes, durante e após a implementação desta experiência, que decorreu entre março e abril, os investigadores responsáveis recolheram dados qualitativos e quantitativos, que os levou a concluir que a estimulação, o sentido de compromisso e a sensação de poder no trabalho melhorou significativamente e a sua satisfação com a vida aumentara em 5%.

Desta experiência resultaram várias reações motivadoras, sobretudo do ministro de relações de trabalho da Nova Zelândia, Iain Lees-Galloway, que considerou os resultados “muito interessantes” e que iria encorajar outras empresas a testar modelos de trabalho novos e melhorados.

Já Andrew Barnes, fundador da empresa, mostrou interesse em apresentar os resultados ao conselho de administração e assim colocar em cima da mesa a possibilidade de implementar uma semana de quatro dias a longo prazo na Perpetual Guardian.

 

Fonte: TSF