Tem vindo a subir constantemente nas classificações ao longo dos anos e finalmente chegou ao topo: a Austrália é o país preferencial para emigrar.

O estudo da BCG, do The Network e dos seus parceiros em mais de 150 países, incluindo o Alerta Emprego e ainda do The Stepstone Group, que analisa as tendências no mundo do trabalho, concluiu que a Austrália tornou-se mais atrativa para os inquiridos de alguns países.

Assim, este país aumentou a sua popularidade nos países Asiáticos, América do Norte, África e vários países europeus, incluindo o Reino Unido e a Irlanda.

A economia australiana registou um boom de emprego após a pandemia, com salários elevados e grande procura de talentos.

Então, esta situação conduziu a um aumento recorde do número de migrações líquidas para mais de meio milhão de pessoas por ano entre 2022 e 2023.

Os dados deste estudo indicam que 76% dos entrevistados que se mudaram para a Austrália para trabalhar tiveram uma experiência positiva.

Constanze Freyberg, 27 anos, mudou-se da Alemanha para a Austrália, onde trabalha como consultora. “O que foi mais importante para mim é o facto de a língua local ser o inglês. Se não falarmos fluentemente a língua local, é difícil trabalhar e fazer parte da comunidade local”, explica.

“Além disso, eu queria sair da Europa, e a Austrália pareceu-me mais atrativa, com bons vistos, bom tempo e muito para ver”.

Os países mais atrativos para trabalhar

O Canadá e os EUA continuam a estar entre os três principais países preferenciais para emigrar, devido às atrativas oportunidades económicas que oferecem e porque são, simultaneamente, países de língua inglesa.

Além disso, nomeadamente nos Estados Unidos, a economia está em constante progresso, pelo menos em alguns sectores.

O Reino Unido e a Alemanha continuam a estar entre os cinco principais países de destino.

Apesar do Brexit, a migração para o Reino Unido aumentou para para máximos históricos em 2023.

Isto deve-se principalmente pela introdução de novos vistos de estudante e de trabalho de países terceiros, e por um aumento dos vistos humanitários para residentes de regiões de conflito.

Por sua vez, a Alemanha uniu esforços para simplificar a entrada de trabalhadores qualificados ao abrigo da nova lei da imigração qualificada e introduziu uma nova lei de naturalização para facilitar a obtenção da cidadania.

A mudança mais dramática que encontrámos nas classificações foi o reaparecimento da Espanha entre os dez primeiros, depois de se ter tornado menos atrativa durante a pandemia.

Hoje, a Espanha é especialmente atrativa para os inquiridos de outros países europeus.

Porque é que as pessoas escolhem um determinado país?

Neste estudo quisemos descobrir como é que as pessoas que estão dispostas a mudar-se para trabalhar escolhem um país para emigrar.

Os trabalhadores escolhem o destino com base na qualidade dos empregos

Assim, analisámos os fatores extrínsecos e intrínsecos e examinámos até que ponto as perceções dos trabalhadores dos países de destino correspondem às realidades.

 

Este estudo baseou-se nas respostas de 150.735 pessoas em 188 países.

Pode consultar o estudo na totalidade aqui.