A CIA abriu uma conta no Telegram e publicou um anúncio de emprego onde diz estar a recrutar espiões russos.

O objetivo da agência de segurança e vigilância norte-americana é contratar espiões russos dispostos a denunciar as informações sensíveis a que têm acesso.

A conta que foi criada a 13 de Abril – mas só agora começou a ter atividade – tem então como missão “alcançar aqueles que se sentem compelidos a integrar a CIA e garantir que sabem como fazê-lo da maneira mais segura possível”.

E ainda, salvaguardar “que os indivíduos possam entrar em contacto em segurança a partir de qualquer lugar do mundo”. A comunicação é feita através da dark web.

Um dos textos publicados, revela então que a CIA está a recrutar espiões russos, na mensagem pode-se ler:

“É um agente da polícia ou militar? Trabalha na área das informações secretas, diplomacia, ciência, alta tecnologia ou lida com pessoas que o fazem? Tem informações sobre economia ou a alta liderança da Federação Russa? Contacte-nos. Talvez as pessoas ao seu redor não queiram ouvir a verdade. Nós queremos”.

Além dessa mensagem, a CIA publicou ainda dois vídeos.

O primeiro retrata dois funcionários ligados ao Kremlin a tomar a iniciativa de contactar a CIA para denunciar a informação sensível a que têm acesso, após terem colocado em causa as motivações do regime russo.

Já o segundo vídeo dá todas as informações sobre como contactar a CIA.

A agência norte-americana revelou ainda que estabelece a linha de contacto entre os denunciantes e a agência através de um portal na dark web – o Tor Project, um sistema de partilha anónima de informação.

“A CIA quer saber a verdade sobre a Rússia e procuramos pessoas de confiança ​​que saibam e possam contar-nos essa verdade. As suas informações podem ser mais valiosas do que pensa”, refere um texto publicado no Telegram.

A agência promete proteger quem a contacta e que por isso a resposta pode ser demorada.

Não é objetivo incendiar ou aliementar a agitação entre a população

Funcionários da CIA envolvidos no projeto explicaram que a invasão da Ucrânia pela Rússia criou uma abertura histórica para que “os russos forneçam informações que os Estados Unidos precisam”.

No entanto, a CIA não pretende  “incendiar ou alimentar a agitação entre a população em geral”, explica um funcionário da agência à CNN Internacional.

Fonte: Público