São cerca de 8500 colaboradores que ficam abrangidos por esta nova norma do Auchan, que a partir de 2023 terão 25 dias de férias.

O objetivo é promover o bem-estar e o tempo de descanso das pessoas e, com isso, contribuir para melhorar a experiência do colaborador e responder às suas necessidades.

Clara Costa, a nova líder de pessoas desta empresa, considera que o grande desafio nos Recursos Humanos é trabalhar cada vez mais a experiência do colaborador.

Mas, esta não é a primeira vez que a companhia decide aumentar os dias de férias dos seus colaboradores.

“A primeira vez foi ainda antes da Covid. Demos mais dois dias de férias e foi algo que os colaboradores valorizaram muito”, explica.

Segundo Clara Costa, são os muitos estudos que a empresa faz que leva a que saibam aquilo que os colaboradores precisam. No entanto, “os estudos dão-nos os grandes grupos e nós temos de ir, cada vez mais, ao indivíduo”, refere.

Ou seja, é no terreno, juntos dos colaboradores em loja que se consegue a melhor informação.

“O grande desafio é propor uma experiência única ao colaborador. Costumo dizer que é um bocadinho como também queremos propor ao cliente”, refere.

Mas há outras medidas

Além dos 25 dias de férias, há outras medidas implementadas pela Auchan, cujo objetivo é aumentar a flexibilidade das suas pessoas com funções que não permitem o tele-trabalho.

Para os 90% de profissionais que estão nas lojas há outras medidas que são bem vistas, como:

  • Juntar as folgas semanais;
  • Permitir que os casais escolham se querem tirar férias e folgas de forma conciliada ou não;
  • Fazer o planeamento dos horários de trabalhos com dois meses de antecedência;
  • Permitir a troca de horários entre os colaboradores.

 

Além disso, para promover e apoiar a parentalidade, a empresa arrancou com duas creches, na Amadora e em Alfragide, em 2010 e 2012 respetivamente.

Estas têm um escalão de pagamento associado ao rendimento do colaborador. Ou seja, se for um diretor paga mais, se for um operador paga o mínimo, que ronda os 50/60€.

Fonte: ECO