O único desejo e a coisa mais importante – e comum a todos os candidatos – em entrevistas de emprego é a aprovação do recrutador. No entanto, não deve ser apenas esse o seu objetivo, mas também compreender se realmente pretende trabalhar naquela empresa – será que gosta das pessoas que lá trabalham? A cultura da empresa? E tudo o resto que está inerente ao escritório?

O que não fazer numa entrevista de emprego

A maioria dos candidatos menospreza os seus objetivos de modo a mostrarem o seu potencial. Afirmar ao recrutador as suas capacidades deve resultar para conquistar o recrutador, mas como atualmente todos os candidatos têm esta abordagem, acaba por não se destacar da multidão.

O que fazer numa entrevista de emprego

Qualquer pessoa que venda serviços e produtos de primeiras necessidades sabe criar uma conexão emocional. Estas pessoas aprendem os interesses e necessidades dos seus clientes.

Se pretende que o recrutador o veja como a opção preferível, e não a mais barata, deve criar uma ligação humana e emocional com o mesmo.

Como?

Através de uma interação, um diálogo entre si e o recrutador. Pode parecer simples, mas em muitos dos casos o candidato acaba por entrar num ciclo onde apenas responde às questões impostas, sem qualquer espaço de manobra para interagir com o recrutador.

Muitos recrutadores questionam o interesse do candidato em integrar a empresa – e isto é uma excelente oportunidade para, em vez de apenas responder, passar a palavra ao recrutador.

Pode adaptar a forma como coloca a questão, mas pode ser algo do género:

1. “Porque é que gosta de trabalhar nesta empresa?”

O recrutador à sua frente é mais que um mero trabalhador, é um ser-humano com necessidades, desejos e vontades. Se se conhecessem noutro contexto estariam a conversar como duas pessoas, não como entrevistador e entrevistado.

Pode fazer o mesmo aqui.

Guie o recrutador para compreender mais do além do que o recrutador que está à sua frente. Ele mencionará os seus gostos, o que levará a conversa a um nível mais pessoal, que levará à vontade do recrutador ouvir mais sobre si.

Se o mesmo tiver alguma dificuldade em expressar o que gosta sobre a empresa, pode ser um sinal de que afinal poderá não gostar tanto de trabalhar nesta empresa como pensava – e isto é uma informação importante.

2. “Estou curioso sobre o que o levou a chamar-me para a entrevista?”

Se um recrutador está a gastar tempo e recursos consigo, é porque o mesmo acredita que corresponde às necessidades da empresa. A sua resposta demonstrar-lhe-à duas coisas:

  1. Os interesses do recrutador – que lhe vão ajudar a negociar uma proposta
  2. O que o recrutador gosta em si – que lhe vai ajudar a saber no que focar. Assim, em vez de parecer apenas mais um candidato, poderá passar a ser a solução procurada

 

As entrevistas de integração e de negociação são diferentes da primeira entrevista, mas os princípios sobre a criação de uma ligação humana e emocional através do diálogo adapta-se a todos os cenários.

 

Fonte: Business Insider