Primeiro que tudo, os recrutadores de engenheiros pretendem determinar que tipo de engenheiro é realmente, ou que setor é a sua especialidade. Existem questões específicas que são colocadas para saber se o candidato é um verdadeiro engenheiro mecânico na prática ou apenas um profissional mais virado para a papelada – aqueles que tratam dos relatórios e documentação.

Se pretende estar preparado para demonstrar com que tipo de engenheiro se enquadra, considere as questões mais comuns colocadas pelos recrutadores em entrevistas de emprego, segundo Maureen Crawford Hentz, Gestora de Aquisição, Desenvolvimento e Conformidade de Talentos da empresa Osram Sylvania.

1. Que software conhece?

Quando a Gestora Maureen Hentz coloca questões relacionadas com a experiência do candidato com softwares como SolidWorksPro/ENGINEER AutoCAD, o seu objetivo é encontrar alguém com mais conhecimento do que apenas “um pouco de tudo”.

Por outro lado, quando pergunta: “Qual é a melhor coisa que sabe fazer com o software?”, a recrutadora pretende avaliar a fluência ou a experiência aplicada. É bom estar familiarizado com o COSMOWorks, por exemplo, mas outra coisa é usar o programa para análise de elementos finitos nos LEDs fabricados pela empresa: “que não se importam de arrefecer, mas detestam ficar quentes”.

2. Acompanha as tendências técnicas e tecnológicas?

Só porque se sentiu tecnicamente e tecnologicamente atualizado há dois anos, isso não significa que ainda será visto dessa forma nos dias de hoje.

“O conhecimento de meia-vida dos engenheiros é cada vez mais curta”, afirma a Greg Hutchins, Engenheiro Principal da Quality Plus Engineering. O mesmo aconselha a que se questione a si próprio: “O que está a fazer para se manter atualizado no setor das tecnologias?”.

Se pretende ser levado a sério, partilhe com o recrutador uma lista detalhada de atividades de educação contínua em que ingressou para solidificar os seus conhecimentos. Talvez esteja a tentar obter a sua licencia profissional de engenharia ou esteja a concluir um curso online sobre tecnologias de sensores.

3. Consegue resolver problemas física e mentalmente?

Uma coisa é resolver problemas de engenharia num contexto teórico cerebral. Mas na maioria das ocasiões tem de sujas as mãos para fazer algo funcionar da forma que deveria.

Já consertou o seu próprio carro? Consegue safar-se em casa com problemas do mesmo género? Será provavelmente questionado com perguntas desta categoria como forma de medir o seu conhecimento prático.

4. Compreende realmente Clientes e Trabalho de Equipa?

Há uma diferença entre a fantasia da engenharia como forma de expressão individual e a realidade da engenharia como negócio.

“Quando está na escola, apenas pretende agradar-se a si próprio”, comenta a Gestor Maureen Hentz. “Está encarregue de construir um robô”, mas num cenário de fabrico ou desenvolvimento de produtos a abordagem é diferente: “Construa uma caixa de ferramentas que se pareça com isto e que possa falar”.

Portanto, espere ser questionado sobre a forma como lidou com as preocupações e personalidades de clientes no passado. E também esteja preparado para explicar como colaborou com os seus colegas para atender as expetativas, muitas das vezes exigentes, dos seus clientes.

“Queremos pessoas que acrescentem valor à equipa, não apenas com competências técnicas, mas também com criatividade e personalidade, porque as suas ideias não são as únicas no mundo”, finalizou a Gestor Maureen Hentz.

 

Fonte: Monster