Chegou 2019 e com o novo ano algumas mudanças no que diz respeito a prestações sociais como as pensões, o abono de família, os subsídios de desemprego, entre outras, e que vão sofrer um aumento a partir de Janeiro.

Indexante de Apoios Sociais (IAS)

Neste contexto o aumento será de 1,6%, elevando esta prestação social para os 453,76 euros. Este aumento estará interligado com a atualização de várias prestações sociais, como está referido abaixo.

Pensões

O aumento das pensões será diferente consoante as pensões de valor mais elevado e as de valor mais baixo. As pensões até dois Indexantes de Apoios Sociais (IAS), ou seja, até 871,52 euros, vão aumentar 1,6%.

Em relação às pensões que se encontram entre duas e seis vezes o valor do IAS, valores entre os 871,52 euros e 2.614,56 euros sofrem um aumento de 1,03%.

Por fim, aquelas entre seis e doze vezes o valor do IAS, valores entre os 2.614,56 euros e 5.229,12 euros, aumentam 0,78%.

Existe um grupo de pensionistas até 1,5 IAS, correspondente a 653,64 euros, que terá também um aumento de 10 euros e de 6 euros. Este grupo está abrangido pela atualização realizada entre 2011 e 2015.

Complemento para pensões

Este complemento será dirigido a pensões de mínimos, onde se pretende equilibrar o montante das pensões mais baixas aos valores que os pensionistas que estão na mesma situação recebem devido aos aumentos das pensões em 2017, 2018 e 2019.

Subsídio de Desemprego

Este subsídio vai aumentar o seu limite máximo para 1.089,40 euros, enquanto que o valor do subsídio social de desemprego aumenta para os 348,61 euros ou 435,76 euros.

Abono de Família

Em relação aos abonos de família, todos os escalões terão um aumento, ao qual será acrescido um valor nas primeira e segunda infâncias, ou seja, crianças até aos seis anos de idade.

Para os segundos e terceiros filhos, haverá um alargamento da majoração do abono, isto desde o nascimento até aos 36 meses de idade.

Prestação social para a inclusão

O aumento do valor mensal, que serve como referência à Componente Base da Prestação Social para a Inclusão (PSI), vai até os 273,39 euros e o valor mensal de referência do Complemento é elevado para os 438,22 euros.

Aliado a este aumento, são atualizados os limites que possibilitam às pessoas com um grau de deficiência entre os 60% e 80% acrescentar o valor do PSI com outros rendimentos.

O valor anual sobe para os 5.258,63 euros, no caso de não existir rendimentos de trabalho, e para 9.150,96 euros no caso de existir rendimentos que resultem da atividade profissional.

 

Fonte: E-konomista