Procura de emprego conselhos antigos que deve esquecer

Com a evolução da Internet, a forma de procurar emprego mudou radicalmente. Se, antigamente, o candidato tinha de esmiuçar os classificados dos jornais para encontrar uma ou duas vagas, hoje em dia encontram-se dezenas de ofertas com poucos cliques.

No entanto, isso não significa que encontrar a oportunidade mais adequada ao seu perfil se tenha tornado mais fácil. Se por um lado é evidente que os recrutadores estão mais acessíveis graças às plataformas digitais, também é verdade que as empresas se tornaram maiores e mais complexas.

Cada vez mais, os recrutadores e o mercado de trabalho procuram profissionais cada vez mais especializados e com competências mais específicas para resolverem problemas específicos.

Também as redes sociais, uma novidade “recente”, têm tido um grande impacto na forma de procurar emprego. Estas ferramentas oferecem uma grande visibilidade o que exige que cada candidato tenha atenção redobrada quanto à sua imagem epssoal e profissional.

Por estes motivos, e perante tantas mudanças, é importante atualizarmos a nossa “procura de emprego” e esquecer alguns conselhos antigos que se encontram desadequados. Conheça aqui 5 conselhos antigos que deve deixar para trás de acordo com o site brasileiro EXAME.com:

1. “Candidate-se a qualquer vaga, o importante é que o seu CV chegue à empresa”

Até há pouco tempo atrás, era bastante comum enviar o currículo para as empresas que tinham anúncios, mesmo que a vaga em si não tivesse nada a ver com o perfil do candidato – a empresa também beneficiava uma vez que os processos de recrutamento eram mais lentos e poderiam aproveitar o currículo no futuro.

Actualmente, muitos dos processos estão automatizados, os recrutadores têm prazos para cumprir e o tempo é escasso para analisar currículos que não foram solicitados.

2. “Aceite qualquer vaga, o importante é que não esteja desempregado”

Obviamente que estar demasiado tempo fora do mercado de trabalho pode prejudicar a sua carreira. No entanto, também pode ser prejudicial aceitar qualquer vaga, independentemente da função.

Se o seu perfil não se enquadrar com essa oportunidade, existem maiores probabilidades de fracassar ou até de ser demitido. Para além disso, também pode comprometer a coerência da sua experiência profissional durante a sua procura de emprego.

3. “Apresentar-se pessoalmente deixa uma melhor impressão”

Forçar um encontro presencial com alguém responsável da empresa onde pretende trabalhar dificilmente trará bons resultados. Claro que existem excepções, mas a constante falta de tempo dos profissionais, exige maior atenção no momento de se aproximar de um recrutador.

Não faça a empresa perder tempo. Não apareça a não ser que tenha sido convidado. No máximo, faça um contacto telefónico mas apenas se estiver complemanente pronto e apto para a função.

4. “É melhor não mencionar quanto ganhava anteriormente”

Quando está à procura de emprego, é importante que esteja preparado para discutir de forma aberta e frontal quais são as suas intenções salariais. Para que possa ter alguma base de negociação, é fundamental que diga qual era a sua remuneração no seu emprego anterior.

5. “Para cativar o interesse da empresa, coloque toda a informação no seu currículo”

Cada vez com menos tempo, as maioria dos profissionais de Recursos Humanos só presta atenção aos currículos mais curtos e objectivos. Acreditar que um currículo longo e completo é benéfico para a sua procura de emprego, não passa de uma ilusão.

Em vez de enumerar de forma exaustiva as suas competências e experiências profissionais, opte por elaborar um currículo mais claro e concreto quanto possível.