Quando está a preparar um currículo e uma carta de apresentação para conseguir o emprego dos seus sonhos, o que tem para dizer é importante, mas também a forma como o diz. Independentemente da sua elevada formação ou vasta e impressionante experiência profissional, cometer erros no seu currículo pode prejudicar a sua procura de emprego.

Veja, ou reveja, os três principais erros a evitar durante a escrita do seu currículo e utilize este conhecimento para aprimorar o seu cv.

Escrita repetitiva e sem conteúdo

Para si, qual destes dois exemplos chama mais a sua atenção?

“Eu tenho um Mestrado de Marketing na Universidade de Lisboa. A minha equipa de Vendas tem tido um desempenho excecional. Trabalhei para duas multinacionais desde que me licenciei”

“Após me licenciar da Universidade de Lisboa, coloquei o meu Mestrado à prova para integrar a Alerta Publicidade, uma Multinacional. Também liderei a minha equipa, no Empregos & Oportunidades, SA para aumentar a receita em 9% no ano passado, durante o terceiro trimestre.”

As diferenças entre o Exemplo A e o Exemplo B são o foco no detalhe e a estrutura gramatical das frases. Ambos os exemplos passam a mesma informação geral sobre as qualificações do indivíduo, mas o segundo exemplo entra em detalhes sobre a experiência e as realizações no local de trabalho. Ser capaz de converter em números o aumento da receita é muito mais impressionante que uma declaração sem conteúdo.

Caso se aperceba ou não, o primeiro exemplo é muito mais escasso e irrelevante devido à estrutura gramatical das frases – escrita básica e repetitiva.

Voz passiva

Ninguém quer ser visto como alguém passivo, no entanto esta voz é bastante comum na escrita profissional. A voz passiva provoca uma troca no assunto e no predicado de uma frase, como por exemplo: “A campanha de atendimento ao cliente foi supervisionada pelo Vice-Presidente Regional de Vendas”. Neste exemplo, o sujeito da ação – o vice-presidente – apenas aparece no fim. Faça o contrário, utilize a voz ativa sempre que possível, ou seja, no exemplo deverá colocar o vice-presidente no início da frase: “O Vice-Presidente Regional de Vendas…”.

Escreva de forma clara e objetiva sempre que possível. A última coisa que pretende é o recrutador ter de se esforçar mais só para poder compreender o seu currículo ou carta de apresentação. A voz passiva também passa uma certa indiferença, algo que não o ajudará decerto a conseguir o emprego, uma vez que as empresas procuraram profissionais ativos, dinâmicos e determinados.

Verbos indiferentes

Já foi mencionado acima, mas os verbos que transmitem determinada indiferença passam a ideia errada aos recrutadores, e utilizá-los não vai ajudá-lo a impressionar a empresa. Os candidatos querem ser vistos como ativos, motivados e determinados, no entanto são em grande número os currículos cheios de verbos “aborrecidos” e mal utilizados.

Alguns desses verbos são:

  • Trabalhei
  • Fiz
  • Foi
  • Gastei
  • Geri

Especialistas em Carreiras recomendam que deixe de parte frases como “servi como”, “as responsabilidades incluíam”, “fui promovido a”, “trabalhei com”, e utilize antes verbos que transmitam força e ação. Verbos de ação fazem tal e qual o que o seu nome indica: transmitem ação e, desse modo, resultados.

Lembre-se que a forma como apresenta o seu currículo e carta de apresentação demonstram não só a sua capacidade de comunicar clara e eficientemente, mas também mostra o seu nível de dedicação e atenção ao detalhe que dispõe a cada tarefa. Os empregadores vão estar sempre atentos a candidatos cuidadosos e com orientação para o detalhe, por isso cause uma boa impressão ao evitar os erros mais comuns entre candidatos.

 

Fonte: The Balance Careers