Uma recrutadora britânica optou por oferecer aos seus funcionários mais quatro dias de férias, se estes não fumarem durante o horário laboral.

A empresa KCJ Training and Employment Solutions, com sede em Swindon, no sudeste de Inglaterra, decidiu implementar esta medida de modo a compensar os colaboradores que não fumam, ao invés de penalizar aqueles que o praticam. Esta medida surge com base nos intervalos dedicados a esta prática.

“Não quero discriminar ninguém. Se as pessoas quiserem fazer intervalos para fumar, que façam, sem problema. Não digo para pararem.”, afirmou Don Bryden, diretor da empresa que também é fumador.

O mesmo explica que, imaginando “que são três intervalos de 10 minutos por dia.” isto equivale a 15 dias de trabalho anualmente, tendo em conta um dia de trabalho de oito horas. “E se cortarmos essa margem por 1/3 e forem apenas 10 minutos de intervalo para fumar por dia, são quase 5 dias de trabalho num ano”.

Para o diretor da empresa, se esta medida for uma fonte de motivação para deixar de fumar, melhor ainda. O mesmo confessa que já foi abordado com ideias semelhantes, “Já me perguntaram se dou um dia extra de folga se uma pessoa não fumar durante três meses. Eu disse que sim. E se conseguirem não fumar por seis meses eu dou dois dias de folga”.

Para Don Bryden e segundo as suas palavras, um ambiente de trabalho mais saudável é um ambiente de trabalho mais feliz.

Caso semelhante no Japão

Apesar desta medida estar a ganhar cada vez mais atenção, não é propriamente inédita, uma vez que em 2017 uma empresa japonesa começou a oferecer seis dias de férias complementares aos colaboradores que não fumam após estes começarem a queixar-se que trabalham mais tempo que aqueles que fazem pequenos intervalos para fumar, diariamente.

Sediada em Tóquio, a Piala Inc. implementou esta medida em setembro de 2017. Com esta medida, o CEO Takao Asuka espera “encorajar os funcionários a deixar de fumar através de incentivos ao invés de penalizações ou coerção”.

Este descontentamento tomou proporções elevadas pelo facto do escritório ser no 29º andar, e os colaboradores que quisessem fumar teriam de descer até ao rés do chão, estendendo os intervalos até 15 minutos.

No fim desse ano, cerca de 30 funcionários em 120 receberam os seis dias adicionais e foi reportado que esta medida levou ainda quatro colaboradores a deixar de fumar.

 

Fonte: Notícias ao Minuto